CFD de Acções/Índices


Advertências Específicas ao Investidor.

Os CFD, as Opções e os Futuros são Produtos Financeiros Complexos.
Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e esteja disposto a aceitá-las

  • Pode implicar a perda súbita da totalidade ou de mais do que o capital investido. 
  • Pode proporcionar rendimento nulo ou negativo.
  • Está sujeito ao risco de crédito do Saxo Bank.
  • Implica que sejam suportados custos, comissões ou encargos.
  • Não é equivalente à aquisição ou transação inicial dos activos subjacentes..
Risk Warning

O que é um CFD de Acções/Índice?

Os CFD (Contracts for Difference) são instrumentos financeiros derivados, negociados fora de mercados regulamentados, que proporcionam aos investidores uma forma alternativa de negociação em acções e índices, através de alavancagem.

O preço dos CFD tem como base o preço do seu activo subjacente.

Activo Subjacente do CFD 

O CFD têm por activo subjacente, índices e acções admitidas à negociação nos diversos mercados de acções, por exemplo, em New York Stock Exchange, no Nasdaq, integrantes do Índice FTSE-100 etc.

Quantidade Negociada do CFD

Os investidores podem escolher o número de acções /índice que constituirá o activo subjacente do CFD por si negociado.

Formação do Preço do CFD

Sendo o CFD um instrumento financeiro derivado que tem por activo subjacente acções/índice, o preço de um CFD é formado tendo em conta o preço base dessas acções/índice. A moeda de negociação e o método de cotação são os mesmos do mercado onde o activo subjacente é negociado.

Mínima Variação de Preço (tick size) do CFD

A variação mínima de preço de um CFD é igual à variação mínima de preço do activo subjacente no mercado correspondente.

Margem do CFD

A negociação de CFD pressupõe a constituição de uma margem inicial (garantia), cujo valor é variável consoante o risco das acções/índice que estão subjacentes. O valor mínimo da margem exigida varia, também, em função da variação do preço do activo subjacente do CFD e do número total de posições em aberto detidas pelo investidor. No caso do valor da margem ser inferior a um valor mínimo para o efeito fixado, as posições dos investidores poderão ser de imediato encerradas. Este facto pode ocorrer principalmente se o investidor tem uma posição contrária à evolução do mercado.

Vencimento do CFD

O CFD não têm, data de vencimento, pelo que aberta uma posição (longa ou curta) a mesma só será encerrada através da tomada de uma posição contrária (curta ou longa) num CFD com o mesmo activo subjacente.

No entanto, em posições curtas, o investidor deverá ter especial atenção dado que o market maker pode exigir o encerramento da posição, por não ter títulos para empréstimo.

Liquidação no fecho de posições de CFD

Os CFD não são objecto de liquidação física, pelo que não há lugar à entrega/recebimento das acções/índice que constituem o respectivo activo subjacente. Assim, no fecho de posições, os CFD são objecto de uma liquidação exclusivamente financeira e pela diferença entre o preço das posições assumidas.

Horário de negociação do CFD

O Horário de Negociação do CFD é o mesmo que se encontre em vigor nos mercados onde o activo subjacente é negociado. Podem também existir mercados onde a negociação de CFD seja interrompida alguns minutos antes do fecho.

Comissões e outros custos de financiamento do CFD

A realização de operações sobre CFD pode implicar o pagamento de uma comissão mínima, conforme indicia o preçário da Dif Broker, caso não sejam atingidos os mínimos de negociação.

A cada momento o investidor terá disponível um bid e um ask (com um determinado spread) contra os quais poderá realizar as suas operações.

Quando forem assumidas posições longas (compradoras) o investidor suporta um custo de financiamento, o qual é obtido pela aplicação da taxa de mercado (acrescida de um spread) ao valor total da operação (quantidade x preço) durante o período de tomada de posição. O custo de financiamento, para as diferentes moedas de negociação, é calculado através da aplicação das seguintes taxas:

Moeda de negociação Taxa de mercado
Todos Câmbios LIBOR O/N + 3%

Quando forem assumidas posições curtas (vendedoras) o investidor poderá ser creditado ou debitado por um valor, o qual será obtido pela aplicação da taxa de mercado (deduzida de um spread) ao valor total da operação (quantidade x preço) durante o período de tomada de posição. Nestes casos serão aplicadas as seguintes taxas:

Moeda de negociação Taxa de mercado
Todos Câmbios LIBID O/N - 3%

Os custos de financiamento de CFD Acções estão divididos em 2 tipos.

1.       O custo de financiamento - custo do dinheiro para financiar a totalidade de uma operação longa ou curta, atendendo que só a margem é requerida.

2.       O custo de empréstimo de títulos para as posições short no mercado.

 
As posições short no mercado de CFD pressupõem a existência física de títulos caucionados para que o mercado possa funcionar. Em condições normais de mercado existem títulos para um investidor abrir uma posição short.

No período anterior a 2008 em que as taxas de juro estavam a níveis normais as posições short poderiam beneficiar inclusive de um crédito de juros por oposição às posições longas. Este era o funcionamento do CFD em posições short em condições normais de mercado.

Em situações de taxas de juro que não são normais, existe um risco acrescido que necessita de ser avaliado pelo investidor, que é o de pagar custo de financiamento e o custo do empréstimo de títulos.

A queda abrupta de um titulo, que mantenha uma tendência de baixa desencadeia um aumento do custo de empréstimo de títulos pela dificuldade que o banco market maker tem na obtenção dos títulos. A razão prende-se com o facto de que quem tem títulos para emprestar, aos investidores que querem estar short, está a prejudicar a sua situação patrimonial e por essa razão o aumento do custo do empréstimo de títulos funciona como compensação da queda do titulo. Pode ocorrer que não existam mais títulos para ser emprestados ou que os poucos que existam sejam a um custo muito elevado.

O banco market maker por seu turno pode procurar novos emprestadores a preços de mercado (custos mais elevados) e quando a situação se torna mais complicada, pode ainda proibir a abertura de novas posições short. Em último caso pode fazer um recall das posições short e obrigar os investidores que estão short a fechar imediatamente as suas posições.

Todos os investidores que operam no mercado de CFD devem ter como preocupação verificar no site da DIF ou na plataforma os custos de empréstimo de posições short e avaliar se houve alterações de custo relativamente ao dia anterior. Esta é uma indicação de que o mercado de empréstimo de títulos está mais ou menos difícil, é uma informação importante para o investidor avaliar o risco de manter a sua posição short.

Em último caso pode existir proibição por parte do regulador da existência de vendas short em determinados produtos, como aconteceu recentemente, e mais do que uma vez desde 2008, em relação às instituições financeiras. Durante esses períodos não é permitido abrir posições short nos bancos cotados. 

A “Taxa de Empréstimo” específica para cada acção pode ser verificada na nossa plataforma em Conta » Condições de Negociação » Lista de Instrumentos de Índice / Acções CFD.

Ao vender um CFD, o custo de financiamento para a realização de uma acção específica é demonstrado no módulo de negociação “Ordens CFD” no campo “custo do empréstimo est.”. 

Eventos Patrimoniais no CFD de Acções
 

Pagamento de Dividendos - Caso detenha uma posição longa (compradora) em CFD, o investidor terá direito a receber um montante idêntico ao valor líquido dos dividendos que sejam distribuídos pela entidade emitente das acções que constituem o respectivo activo subjacente. No caso de deter posições curtas (vendedoras), o investidor será debitado por um montante idêntico ao valor bruto dos dividendos que sejam distribuídos pela referida entidade.

Aumento/redução de Capital – Na eventualidade de um emitente que constitui o activo subjacente do CFD proceder a um aumento ou redução de capital, os investidores recebem ou pagam um montante equivalente ao valor do direito negociado em bolsa. O investidor em CFD não recebe os direitos nem podem por esta via acompanhar o aumento de capital, como se fossem detentores de acções. O CFD não dá nenhum direito atribuído aos accionistas.

OPA - Com potencial impacto patrimonial os detentores de CFD em posições longas podem manter a sua posição em aberto enquanto o activo subjacente estiver cotado. Devem ter no entanto atenção a possíveis alterações nos requerimentos de margem. Os detentores de posições curtas poderão ser obrigados a encerrar as mesmas. A DIF Broker aconselha vivamente os investidores a lerem os riscos de negociação do CFD nomeadamente nas posições short.

Eventos não Patrimoniais ou contabilísticos no CFD de Acções

OPT - Estas operações são caracterizadas pela troca de acções de uma empresa por uma outra. O investidor em CFD (longo ou curto) terá direito ao CFD da nova empresa, nas condições propostas, mas deve ter em atenção que as margens requeridas da nova empresa podem não ser as mesmas.

Stock Split/Reverse Split - São eventos que teoricamente não afectam o valor patrimonial do accionista e do detentor de CFD, e que será traduzido num aumento ou diminuição da quantidade do CFD ajustado ao novo preço teórico do activo subjacente.

Cisão de empresa - Caso haja cisão de empresa, o market maker tem opção de entregar ao investidor detentor do CFD os direitos referentes à cisão, o CFD da nova entidade, ou o capital resultante da diferença. Os investidores que estiverem curtos no CFD nesta situação têm sempre que proceder à liquidação da diferença em dinheiro.